Todo mundo gosta de listas. Por isso, segue uma com seis ferramentas que são uma mão na roda para quem desenvolve com WordPress (tem ferramentas que ajudam sem o WP também). Se você usa alguma coisa que não está aqui, deixe um comentário. Com certeza teremos uma parte 2 algum dia.

1. WP-Admin Reference

Já falei desse site outras vezes, mas ele é bom demais. Sabe quando você está fazendo alguma coisa para o Painel de administração do WordPress, mas não consegue reproduzir algum estilo nativo? Como eu crio um aviso? Como eu faço para criar um botão? Qual é o código para ter abas? Esse site é uma lista com tudo isso e muito mais.

WP-Admin Reference: todos os estilos do Painel do WordPress em um lugar só

2. Scaffolds do WP-CLI

Eu já falei sobre WP-CLI por aqui antes e, quando se trata de ferramenta para WordPress, não tem como não citar a interface de linha de comando do WP. Para essa lista eu separei um comando específico: o scaffold. Sabe quando você vai criar um plugin e precisa sempre copiar e colar os mesmos arquivos para realmente começar a desenvolver? Ou então quando você precisa criar um tema filho/descendente? Então, esse comando faz isso para você.

Para criar um tema descendente (esse é o nome certo, atualmente), basta usar:

wp scaffold child-theme sample-theme --parent_theme=twentytwenty

Para criar um tipo de post personalizado, ou CPT para os íntimos:

wp scaffold post-type portfolio --label=Portfolio --plugin=my-portfolio

Para um novo plugin (passe --skip-tests para não criar os arquivos de teste, mas pense bem se você realmente quer ignorar isso):

wp scaffold plugin sample-plugin

Tem também comandos para criar blocos, taxonomias e temas baseados no underscores.

3. Query Monitor

Esse plugin é uma mão na roda na hora de entender o que está consumindo recursos ou por que algum plugin deixou tudo extremamente lento. O Query Monitor exibe as queries do banco de dados, qual é o modelo sendo usado, erros de PHP, blocos e suas propriedades, informações do ambiente e mais um monte de coisas.

Análise das queries SQL com o Query Monitor. Dica boa do Ramon lá no Twitter

4. Diagnóstico e resolução de problemas (Health Check)

Eu sei, eu sempre falo desse plugin. Mas ele é muito bom!

Algumas das ferramentas do plugin já fazem parte do core do WordPress, mas o que ainda não foi migrado vale muito a pena. O Modo de resolução de problemas é tudo o que você precisa para descobrir qual é o plugin que está causando aquele problema estranho, desativando o plugin só para o seu usuário. Não é demais?

O Health Check torna o debug muito mais fácil com o seu Modo de resolução de problemas

5. htaccess tester

Essa eu não uso muito, mas pode facilitar demais na hora de resolver um problema com o arquivo .htaccess. A gente sabe como às vezes esse arquivinho pode dar trabalho, mas com essa ferramenta podemos testar tudo antes de passar pelo calvário de mil atualizações na página e testes de expressões regulares.

Ela ainda não tem suporte para algumas variáveis, mas já pode ajudar muito para testar aquele Redirect 302 que o pessoal do SEO pediu para você implementar.

É só colocar o endereço que o usuário estaria acessando, o conteúdo do .htaccess e clicar em Test

6. Editar o CSS direto no Google Chrome

Sim, existe um jeito de não ter que editar o CSS pelo console do Chrome e depois ter que copiar e colar o código no seu editor para realmente salvar o arquivo.

Como o Chrome é atualizado com muita frequência, os passos para fazer isso podem variar um pouquinho. Na versão atual enquanto eu escrevo (77.0.x), os passos são:

  1. Abrir as Ferramentas do desenvolvedor (F12 ou ⋮→Mais ferramentas)
  2. Clicar na aba Sources
  3. Clicar em Filesystem
  4. Adicionar a pasta em que você quer trabalhar
  5. Permitir que o Chrome acesse a pasta (o aviso aparece no topo da tela)

Depois disso você vai poder modificar o arquivo direto pelo Chrome e salvar suas mudanças.

Dica excelente do Claudio Myst por e-mail. Valeu, Claudio!

Não cheguei a testar em um cenário mais complexo, com SASS, por exemplo. Mas acho que se houver um mapeamento entre os arquivos .scss e o .css final deve funcionar.


E você? Qual ferramenta você usa e eu não falei no post? Deixe aqui nos comentários e, quem sabe, não sai uma parte 2?