No sábado passado, dia 2 de novembro, Matt Mullenweg deu sua palestra anual sobre o WordPress no WordCamp US. Um resumo do que aconteceu durante o último ano e também um pouquinho do que podemos esperar para o futuro. A palestra completa está disponível no YouTube, mas vou deixar aqui um resumo com os principais pontos.

O WordCamp US 2019

O WordCamp US é um dos eventos mais importantes do WordPress. Junto com o WordCamp Europa e o WordCamp Asia, que terá sua primeira edição no começo do ano que vem, o WCUS é um dos gigantes que sempre conta com a presença e palestra do Matt. Esse ano o evento contou com mais de 1.300 pessoas e durou três dias.

Sala lotada aguardando a palestra do Matt (por @WordCampUS)

Foco nas pessoas (e no Gutenberg)

Segundo o próprio Matt, a principal mudança no WordPress em seus 16 anos de existência foi o novo editor de blocos. Por isso, ele tem recebido bastante atenção durante as palestras feitas pelo co-criador do WP. Esse ano, além do Gutenberg, foi possível notar um impressionante foco nas pessoas envolvidas no desenvolvimento do software. É algo natural, afinal se não houver comunidade não há programa open-source, mas valorizar as pessoas é sempre algo bacana. Ponto pro Matt.

Documentário “Open”

O State of the Word de 2019 começou com o documentário Open: The Community Code. Um vídeo de pouco mais de 13 minutos exaltando a importância dos milhares de voluntários envolvidos com o WP, cujo mercado anual movimenta 10 bilhões de dólares. Segundo Matt, mesmo com essa cifra impressionante, o que define o WordPress é a sua comunidade e a participação das pessoas.

O pessoal do Wordfence está envolvido na produção do curta, que já está sendo enviado para festivais de filmes independentes e documentários.

A comunidade do WordPress: o que é, onde vive e do que se alimenta

Como eu disse antes, um dos focos da apresentação foi a comunidade. Dando um panorama geral e compartilhando alguns muitos números, nosso amigo Mullenweg falou de eventos presenciais (WordCamps, meetups e os eventos beneficentes do_action), do HeroPress no blog oficial do WordPress e do Alex Mills.

O projeto Five for the Future também ganhou destaque. Ao mesmo tempo em que o programa WordPress é grátis, para que um projeto open-source sobreviva é preciso que as pessoas contribuam para isso. Em termos práticos é preciso investir tempo e, como a gente aprendeu com o Tio Sam do Chapolim, Time is money. Num mundo ideal, seria interessante se as pessoas e empresas pudessem investir 5% de seus recursos no WordPress (daí o nome). Se você já ajuda o WordPress de alguma forma, não se esqueça de incluir essa informação no seu perfil do WordPress.org. É, eu ainda não atualizei o meu. Eu não faço ideia de quanto tempo eu dedico para a comunidade toda semana.

Formas de colaborar

Com o objetivo de incentivar cada vez mais pessoas a participar do projeto, Matt ofereceu algumas possibilidades aos interessados. Instalar o plugin do Gutenberg ou o Design Experiments, atender a eventos presenciais e compartilhar seu conhecimento foram as principais.

Mudanças no WordPress

Além das alterações no editor de blocos, nós tivemos grandes mudanças no core do WordPress durante esse ano. Como todo mundo ama listas, segue uma:

  • WordPress 5.1
    • Funcionalidades do plugin Diagnóstico sendo levadas para o core;
    • Mudanças na API Cron e
    • Metadados no multisite.
  • WordPress 5.2
    • Alteração na versão mínima do PHP para 5.6 (83% das pessoas usando o WP 5.2 já estão usando o PHP 7+);
    • Fim da tela branca da morte (WSoD, White Screen of Death) e
    • Transformação de todos os widgets em blocos.

No dia 12 de novembro teremos o lançamento do WordPress 5.3, que também trará algumas mudanças importantes:

  • Novo tema Twenty Twenty;
  • Melhorias no componente de data e hora;
  • Compatibilidade com o PHP 7.4 e
  • Envio periódico de mensagens para confirmação de e-mail.

Se você ainda não assinou o meu canal no YouTube, corre lá. Assim que sair o WP 5.3 eu vou fazer vídeos sobre as mudanças.

Uma segunda chance para o Gutenberg

Diferente do que vimos no WordCamp Europa, a apresentação do Matt no WCUS não mostrou tanta coisa nova no Gutenberg. A principal preocupação dele durante a palestra pareceu ser corrigir a má impressão que as pessoas tiveram do novo editor no lançamento do WordPress 5.0. O Gutenberg melhorou muito, todo mundo aprendeu com os vários problemas que surgiram durante o desenvolvimento (indo de coordenação de equipes e tomadas de decisão a transparência nas divulgações) e é hora de uma segunda chance.

Tweets reclamando do Gutenberg.

Além do novo diretório de blocos, cuja prévia já havia sido mostrado no WC Europa, durante a palestra pudemos ver algumas coisas bacanas do Gutenberg e também projetos feitos por agências. Destaque para a pré-visualização dos blocos e para um importador de arquivos do Microsoft Word.

Próximos passos

Das quatro fases anunciadas há alguns anos, avançamos um pouco mais nas duas primeiras. Segundo o Matt, o percentual de desenvolvimento do Gutenberg saiu de 10% para 20%. Pouco, mas a gente sabia que esse seria um trabalho de anos. Depois de completar o desenvolvimento do editor em si (Fase 1) e de expandi-lo para as outras áreas do site como cabeçalhos e rodapés (Fase 2), vamos ver na Fase 3 o WordPress tendo suporte nativo para edições simultâneas de vários usuários — mais ou menos como o Google Docs — e, finalmente na Fase 4 teremos o sonhado suporte nativo para vários idiomas.

As quatro fases esperadas para os próximos anos

Editor de blocos slides

Fun fact: os slides da apresentação foram feitos no Gutenberg, usando o plugin Slides.

Perguntas e respostas

Foi legal ver boa parte das perguntas sendo feitas por mulheres e girando em torno da questão de Governança do projeto. Em resposta a uma delas, sobre a implementação de várias políticas, Matt disse preferir adoções mais práticas do que um texto qualquer, além de achar melhor mostrar um caminho viável do que simplesmente dizer o que não fazer. Em outra, quando perguntado sobre qual sistema de decisão o WordPress segue, Matt disse que o WP segue um sistema próprio, mas bastante transparente.

Tivemos outras perguntas bacanas, como a da atual CEO da Yoast, sobre o que pode ser feito para aumentar o uso do Gutenberg (diminuindo o do Editor clássico) e a da Olivia Bisset, uma jovem palestrante de WordCamps e responsável pelo Lemonade Code, sobre o incentivo aos jovens a participar da comunidade. Matt, tão estrategista quanto um jogador de xadrez, aliás, usando uma camisa E uma gravata xadrez, respondeu positivamente, mas sem falar nada de concreto. Melhorar o Gutenberg foi a resposta para a primeira e explorar exemplos, como a própria Olivia, foi a resposta da segunda.

Conclusão

Sinceramente? Uma palestra morna. Longe de ser horrível, muita coisa legal, mas nada novo sob o sol. Muito bacana ver a importância dada para as pessoas, mas foi basicamente isso. Confesso que estou em uma fase onde começo a ver graves problemas nesse sistema de desenvolvimento open-source, um certo cinismo nessas questões de inclusão, mas é fase. Como eu disse, a palestra está disponível na íntegra lá no YouTube. Se tiver um tempinho, assista e me diga o que achou!

Para mais material em inglês você pode ver a matéria do Post Status ou da WP Tavern.